PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
SEG A SEX – DAS 9h ÀS 18h
ENSAIOS
Beethoven 250: Temporada 2020-2021
Autor: Arthur Nestrovski e Marcelo Lopes
25/mai/2021
A Temporada 2020 começou de modo inesquecível, em março, com a Missa Solemnis, de Beethoven, regida por Thierry Fischer. Era o primeiro de muitos programas dedicados à obra do compositor, celebrando os seus 250 anos de nascimento; e era também o primeiro programa do nosso novo Regente Titular e Diretor Musical. Depois da Turnê Beethoven Paulista, que levou nossa Orquestra a oito cidades do interior, em fevereiro, e desses concertos de abertura das séries de assinatura, tudo parecia encaminhado para uma grande Temporada. Uma semana depois, a Sala São Paulo estava fechada ao público e todos os concertos suspensos, por força da pandemia da Covid-19.
 
Um Clássico Popular
Autor: Diego Fischerman
24/mai/2021
(...) Talvez por seu infalível ouvido “popular”, por imaginar-se a si mesmo como intérprete — inclusive nas obras que não o tinham como protagonista — e diferentemente de muitos dos experimentos realizados durante a segunda metade do século XX para estilizar músicas de tradição popular e colocá-las na órbita do concerto clássico, a música de Piazzolla, mesmo a mais intrincada, sempre soa natural. Sempre tem a fluidez da improvisação, do assobio das ruas, do músico popular, do saber do povo.
 
Saint-Saëns, o compositor viajante
Autor: Stéphanie Leteuré
23/mai/2021
Na primavera de 1890, a imprensa parisiense se preocupava com o inexplicado desaparecimento de Camille Saint-Saëns. O compositor abandonara definitivamente sua residência na rua Monsieur-le-Prince, não fornecera nenhum endereço ofi cial, legara à cidade de Dieppe [no norte da França] suas coleções particulares e pusera sua biblioteca musical em depósito na Casa Érard [célebre loja de fábrica de pianos, em Paris].
 
Figuras parisienses: Camille Saint-Saëns
Autor: Marcel Proust
22/mai/2021
“É um gênio, diz uma velha lenda, mas um gênio burlão. Rei dos espíritos da música e do canto, ele possui todos os segredos, e mesmo aquele, tão logo queremos nos aproximar dele, de fugir para o mais longe, sempre incapturável.”
 
A construção da modernidade nos balés de Stravinsky
Autor: Entrevista de Thierry Fischer a Arthur Nestrovski
21/mai/2021
Thierry Fischer, Diretor Musical e Regente Titular da Osesp, tem regido "A Sagração da Primavera" quase anualmente nas últimas duas décadas. A modernidade dos balés de Stravinsky simboliza sua perspectiva de trabalho com a orquestra.
 
Stravinsky e a vontade criativa
Autor: João Guilherme Ripper
20/mai/2021
Ludwig van Beethoven, cujos 250 anos de nascimento celebramos em 2020, foi o primeiro compositor a fazer uma carreira sem vínculo de emprego com corte ou igreja, sustentando-se apenas com recursos obtidos por meio de concertos, publicação de partituras e patronato de nobres. A autonomia de Beethoven associada ao seu inesgotável impulso criativo fizeram dele o senhor da invenção e dos percursos artísticos pelos quais se aventurou.
 
O sistema e a ideia
Autor: Pierre Boulez
19/mai/2021
Sempre se acentuou a evolução da linguagem rumo a um cromatismo total e, a partir da Escola de Viena — que manifestou particularmente essa continuidade da evolução —, a linhagem Wagner-Mahler-Schoenberg se impôs como o símbolo da renovação.
 
Contar histórias pela linguagem musical
Autor: Entrevista de Gabriela Montero a Júlia Tygel
18/mai/2021
A pianista venezuelana Gabriela Montero, Artista em Residência da Temporada 2020-2021, explica como os programas que tocará com a Osesp se relacionam com sua própria trajetória.
 
Universos infinitos
Autor: Entrevista de Esteban Benzecry a Arthur Nestrovski
17/mai/2021
O argentino Esteban Benzecry, Compositor Visitante desta Temporada, conta como une, em sua música, a inspiração em tradições latino-americanas a cores orquestrais francesas.
 
Esteban Benzecry: folclores imaginários
Autor: Martín Liut
16/mai/2021
Esteban Benzecry nos oferece um bom exemplo de como o campo da música contemporânea francesa está disposto a receber compositores estrangeiros, na quase totalidade de seu mapa musical — nesse mosaico, ele ocupa o espaço dos sinfonistas.